Think tanks esperam que Iniciativa do Cinturão e Rota ajude reconstrução do Oriente Médio

2017-05-18 13:46:20丨portuguese.xinhuanet.com
Beijing, 18 mai (Xinhua) -- Dois think tanks propuseram a incorporação da reconstrução do Oriente Médio na Iniciativa do Cinturão e Rota para ajudar a área instável e devastada pela guerra a se revitalizar rapidamente quando a situação política se estabilizar. A Iniciativa de Reconstrução do Oriente Médio (IROM) foi lançada na quarta-feira pelo Comitê do Fundo de Energia da China (CFEC), um think tank de Hong Kong, e o Instituto para a Análise da Segurança Global (IASG), com sede em Washington. "Os problemas no Oriente Médio não podem ser resolvidos apenas por ações militares", disse Patrick Ho, vice-presidente e secretário-geral do CFEC, em uma entrevista coletiva. Somente mudando as condições socioeconômicas essenciais da área é possível restaurar as esperanças por um futuro promissor, reconstruir casas e revitalizar economias, apontou Ho, esperando que a Iniciativa do Cinturão e Rota desempenhe um papel importante no processo. Com foco na infraestrutura, a iniciativa vai criar empregos, impulsionar economias e trazer a paz e a estabilidade, segundo Ho. Apesar do caos e incerteza da área, os think tanks acreditam que preparativos devem ser feitos para a reconstrução rápida quando a paz finalmente vir. "Todas as guerras chegam ao fim em algum momento e então a reconstrução será necessária para restabelecer a infraestrutura como estradas, e usar o capital eficientemente", disse Gal Luft, diretor conjunto do IASG. A IROM tem como objetivo encontrar maneiras para obter mais apoio no âmbito da Iniciativa do Cinturão e Rota, atrair recursos dos bancos multilaterais e empresas privadas e buscar soluções para os desafios políticos e econômicos da região. "A China e o Oriente Médio têm amplas perspectivas de construir conjuntamente o Cinturão e Rota e haverá enormes oportunidades de negócios. Os dois lados são complementares", informou Liu Baolai, ex-embaixador chinês na Jordânia e nos Emirados Árabes Unidos. A cooperação já mostrou resultados, afirmou Liu, citando as vias expressas construídas pela China na Turquia e as refinarias na Arábia Saudita. Entre os 77 membros do Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura, dez são do Oriente Médio. A China concederá empréstimos de até US$ 35 bilhões à área e criará fundos de investimento no valor de US$ 20 bilhões com os Emirados e Qatar.  
Fale conosco. Envie dúvidas, críticas ou sugestões para a nossa equipe através dos contatos abaixo: Telefone: 0086-10-8805-0795 Email: portuguese@xinhuanet.com
010020071380000000000000011100001362947391
亿万先生